A DIVINA COMÉDIA E O ESPIRITISMO. PELO ESCRITOR ESPÍRITA PAULO REZENDE

A DIVINA COMÉDIA E O ESPIRITISMO. PELO ESCRITOR ESPÍRITA PAULO REZENDE stou aos poucos vencendo o desafio adiado há algumas décadas: ler a Divina Comédia, do poeta florentino Dante Alighieri, com os olhos de um espirita. É uma aventura fascinante, pois combina tudo o que esperamos de uma obra clássica: imaginação fértil, descrição minuciosa das cenas […]

Leia mais A DIVINA COMÉDIA E O ESPIRITISMO. PELO ESCRITOR ESPÍRITA PAULO REZENDE

Gunga Din (1939)

Publicado originalmente em Christina Wehner:
I can definitely see why people like this movie, and why it has endured as one of the great classic adventure tales and I can also definitely see why some people find it annoying. It really depends on how much you like adventure and the chemistry of the leads and how…

Leia mais Gunga Din (1939)

A Candeia Viva

Publicado originalmente em Artigos Espíritas – Luz da Razão:
<!– /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:””; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:”Times New Roman”; mso-fareast-font-family:”Times New Roman”;} h2 {mso-margin-top-alt:auto; margin-right:0cm; mso-margin-bottom-alt:auto; margin-left:0cm; text-align:center; mso-pagination:widow-orphan; mso-outline-level:2; font-size:18.0pt; font-family:Arial; color:saddlebrown; font-weight:bold;} p {mso-margin-top-alt:auto; margin-right:0cm; mso-margin-bottom-alt:auto; margin-left:0cm; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:”Times New Roman”; mso-fareast-font-family:”Times New Roman”;}…

Leia mais A Candeia Viva

Crítica – As Horas (2002)

As dores  do parto  Baseada na obra homônima de Michael Cunningham ganhadora do prêmio Pulitzer (o maior prêmio da literatura) , considerada pela crítica uma das adaptações mais fieis já produzidas para o cinema.        Aclamado e multi-premiado, o filme é considerado uma ode á todas as mulheres que dão duro para cuidar da casa, família […]

Leia mais Crítica – As Horas (2002)