Crítica – Uma Mente Brilhante (2001)

19895064.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

O que é bom para mim é bom para todos

          Na Universidade de Princeton em 1947 o aluno John Forbes Nash(Russell Crowe), especializado em formulas matemáticas ao observar a garota mais atraente do recinto em uma roda de amigos chegou a sabia conclusão ser mais produtivo e satisfatório á todos investirem nas amigas em vez de todos disputarem-na  ao mesmo tempo. Nash argumentava  que o melhor resultado  é aquilo que é melhor para si e para o grupo, semelhante a “Dinâmica dos Governos”.A partir dessa inspiração pôde desenvolver sua famosa Teoria dos Jogos (Equilibrium, depois desdobrada em Noncooperative Games), que lhe renderia em 1994, o Prêmio de Ciências Econômicas em Memória de Alfred Nobel (não confundir com o Prêmio Nobel.[1] Seu grande incentivador e colega de quarto na universidade foi Charles ( Paul Bettany).

  Logo após  se formar, em pleno auge da Guerra Fria passa a trabalhar para o governo americano ao lado do agente William Parcher(Ed Harris). Contudo , sua mulher Alicia(Jennifer Connelly) descobre que tanto Charles quanto Parcher eram fruto de uma grave esquizofrenia e por isso acaba internando–o compulsoriamente. Mais tarde, já sedado o médico(Christopher Plummer)  definiu a doença  á Alicia : “O pesadelo final da esquizofrenia não é saber o que não é verdadeiro, imagine que de repente se desse conta que as pessoas, os lugares mais importantes para você, não tivesse sumido ou morrido, mas pior… Nunca tivessem existidos. Que espécie de inferno seria?”.

 Anos mais tarde após diversas brigas com a bondosa esposa, finalmente admite a moléstia ao perceber que a sobrinha de Charles ainda não tinha envelhecido, logo não poderia ser real.Finalmente ele passa a ignorar os três amigos  imaginários para concluir sua Tese de Doutorado em paz .

[1] “A Teoria dos Jogos como modelo   estratégico  financeiro estuda   decisões em  situação  interativas,  analisando os  agentes  envolvidos, suas decisões  individuais  e  as  reações geradas  por  cada  um, dessa forma,  prevendo o  movimento dos outros  jogadores, sejam eles concorrentes ou aliados, permitindo assim um posicionamento  estratégico  no jogo   (Negócios)   que   possibilitará   que   os   resultados   e   objetivos  previamente determinados sejam atingidos. A contribuição da análise das decisões e simulação dessas  realidades garante sua  aplicação  não só  na economia e  nas finanças, como também  nas outras ciências em   diversificadas   situações” . A teoria complementa o “Dilema do Prisioneiro “ de  Merrill  Flood  e  Melvin  Dresher , “onde   dois  indivíduos   devem   tomar   uma  decisão,   e   sua   conseqüência  depende   da   interação   das   duas   decisões.   Nesse   jogo   duas   pessoas   são  aprisionadas,  suspeitas  de  terem  cometido,  conjuntamente  um  crime.  Os  policiais  colocam os dois suspeitos em celas separadas, de  modo que a comunicação entre  eles  não seja  possível; a cada  um é  perguntado se cometeram ou  não o crime.  Os  policiais para induzi-los a confessar, propõem as seguintes situações: a) Se o suspeito  não confessar e o seu  parceiro confessar, denunciando o outro, a  pena será máxima para o que não confessou: dez anos de reclusão, enquanto o que  confessou terá a pena reduzida à zero; b) Se ambos confessarem, a  pena será  reduzida à  metade: cinco anos de  reclusão  para cada suspeito; c) Se nenhum deles confessar o crime, eles apenas continuarão presos por mais um  tempo, dois anos, por exemplo”. A solução de Nash é a do equilíbrio, a do não  arrependimento. Seria  o  caso  de ambos confessarem .  Pois, com  a aplicação de uma  pena  igualitária  todos sairiam  satisfeitos sem ódio ou rancor, semelhante a máxima de Jesus:Façam  aos outros o que gostaria que fizessem á você .Para saber mais consulte  : http://www.cpgls.ucg.br/ArquivosUpload/1/File/CPGLS/IV%20MOSTRA/NEGCIO/Modelo%20Estrategico%20Financeiro%20Baseado%20va%20Teoria%20Dos%20Jogos%20e%20no%20Equilibrio%20de%20Nash.pdf
Anúncios