Crítica – Real – O Plano por Trás da História (2016)

568480.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

O milagre  social

  Se muitos jovens já ouviram falar do milagre econômico à época do tricampeonato da Copa de 1970, poucos conhecem o milagre econômico de 1994 – o ano do tetra –, que zerou a hiperinflação de 86% ao mês, equiparando por vários anos a nova moeda brasileira à moeda americana,sem recorrer à desastrosa dolarização argentina. O responsável por enriquecer e tirar milhões de brasileiros da miséria foi o eclético e pragmático economista Gustavo Franco (Emílio Orciollo Neto), que não se fechou em ideologias dogmáticas, baseando-se em Margaret Thatcher, Mikhail Gorbachev e Hjalmar Schacht, o mago da economia alemã.Um filme dinâmico que traduz o complicado “economês” para a linguagem popular, com competente figurino e toques de humor proporcionados pelo caricato presidente Itamar Franco (Bemvindo Sequeira). Os vilões da história foram José Serra, opositor desde o início à implantação da nova moeda, e, logicamente, o Partido dos Trabalhadores, que instalou no Congresso Nacional a CPI do Banestado, julgada pelo paladino da justiça Sérgio Moro.Real – O Plano por Trás da História.Brasil, 2016),de Rodrigo Bittencourt.95 min.Nota : 3,5.

 

Nota - 3,5

Anúncios