Crítica – Piratas do Caribe – A Vingança de Salazar

262397.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

Homens mortos não contam história

    A mitologia dos piratas nos fascina desde a Odisseia de Homero, passando pelos vikings, pela colonização europeia das Américas e do Caribe nos séculos 17 e 18 – a chamada Era de Ouro –, até os dias de hoje, a exemplo dos constantes saques na costa da Somália, muito bem retratados pelo filme Capitão Phillips, estrelado por Tom Hanks. Salazar (Javier Bardem) é o mais novo carrasco de Jack Sparrow (Johnny Depp), depois da morte do sanguinário Barba Negra (Ian McShane) no longa anterior. Jack, Barbossa (Geoffrey Rush) e ele buscam  o Tridente de Netuno para livrá-lo de uma maldição e a todos os tripulantes do assombrado navio Flying Dutchman, incluindo seu capitão Will Turner (Orlando Bloom), casado com Elizabeth Swann (Keira Knightley), pai de Henry Turner (Brenton Thwaites). Participação especial de Paul McCartney.Piratas do Caribe – A Vingança de Salazar(Pirates of the Caribbean: Dead men tell no tales, EUA, de Joachim Rønning, Espen Sandberg. Aventura.129 min.12 anos.Nota :3,0.

 Nota - 03

 

 

 

.

Anúncios