Crítica – Faces de Uma Mulher (2016)

219700.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

Sofrerás as dores do parto e comerás o pão com o suor do teu rosto

      Quatro mulheres representam lados diferentes da mesma pessoa aos 6, 13, 20 e 27 anos, em trama não linear. São elas: a pequena Kiki (Vega Cuzytek), a pré-adolescente Karine (Solène Rigot), a jovem Sandra (Adèle Exarchopoulos) e a adulta Renée (Adèle Haenel), que espera um filho. Todas sem estrutura familiar e ligadas ao mundo do crime, ratificando o jargão de que o meio faz o homem, mesmo mulheres de boa índole como elas.Faces de Uma Mulher (Orpheline, França, 2016), de Arnaud des Pallières (Michael Kohlhaas – Justiça e Honra).Drama.111 min. Nota :3,5.

 Nota - 3,5

Anúncios