Crítica – Kong : A Ilha Da Caveira (2017)

521252.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

Vida Longa ao Rei

   A divertida e emocionante continuação ignora a morte de Kong, mas mantém os principais acontecimentos da
versão  restaurada do clássico de 1933, cujas consequências foram duas novas expedições à mística Ilha da Caveira durante a Segunda Guerra e no final da Guerra do Vietnã. Nessa última, os técnicos e lunáticos soldados remanescentes (Brie Larson, Tom Hiddleston, Samuel L. Jackson e John C. Reilly), embalados pela ótima trilha sonora setentista – com participação de Jorge Ben Jor, partem para o paraíso perdido (provável  Oscar de Melhor Fotografia, que lembra a de Apocalypse Now). Assim como em Avatar, o longa define o homem como inimigo número 1 da fauna e da flora porque mata por vingança, e não para sobreviver. Diversão garantida e cheia de clichês, com muitas surpresas e dezenas de pre-tendentes ao trono do macaco gigante. Contudo, apenas
um será páreo para ele.
Kong – A Ilha  Da Caveira (Kong – Skull Island, EUA, 2016), de Jordan Vogt-Roberts.Aventura.118 min.12 anos. Nota : 3,5. 

Nota - 3,5

 

 

 

Anúncios