Crítica – Meu Rei (2016)

503556.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx.jpg

Ame-o ou deixe-o

Divorciada Marie Antoinette Jézéquel, conhecida como Tony (Emmanuelle Bercot) sofre um grave acidente de esqui na neve e enquanto faz fisioterapia relembra o conturbado o relacionamento com ex-marido Georgio Milevski (Vincent Cassel),um sujeito violento e possessivo  que ainda a ama,  mas não tem condições de conviver com ela nem com ninguém. Indicado a Palma de Ouro em Cannes acabou premiado merecidamente á melhor atriz graças a grande performance da protagonista cujo roteiro não linear  descarta o habitué dos casais em crise, mostrando uma relação séria e realista de amor e ódio.Meu Rei (Mon roi, França, 2016), de Maïwenn. 125 min.  14 anos. Nota :3,5.

Nota - 3,5