Paralimpiada : Esporte é superação individual , não duelo

paralimpiada
A partir de 2011 o termo Paraolimpiada foi alterado para Paralimpiada em padronização ao termo  inglês Paralympics e não por motivos ortográficos.Diferente das Olimpíadas há inúmeras categorias divididas dentro da mesma modalidade indicadas por uma letra ao lado de um número respeitando o grau de deficiência do atleta.Quanto menor a numeração, maior é o comprometimento. No atletismo por exemplo, se a disputa acontece na pista acrescenta a letra T, do inglês track ou no campo (F, de field).  Há participantes cegos ,com baixa visão, anões, deficientes intelectuais, cadeirantes, com  mobilidade reduzida, próteses e  paralisia cerebral. Destaque para o nosso Michael Phelps Daniel Dias e o futebol para cegos, invicto desde 2006 em partidas oficiais e que provavelmente buscará do tetra contra a Argentina no sábado(17).O campo é semelhante ao Society,a bola tem um gizo , o goleiro não tem qualquer deficiência , mas não pode sair da área. Tanto no esporte quanto na vida devem ser encarados como  forma de superação (evolução) individual e não uma competição para provocar a raiva do adversário. Como dizia Chico Xavier: “Aos outros eu dou o direito de ser como são, a mim, dou o dever de ser cada dia melhor”. As frequentes quebras de recordes e de marcas pessoais demonstram que o ensinamento do médium está sendo seguido á risca sobretudo, por atletas brasileiros, até agora em quinto lugar no quadro de medalhas atras dos EUA superando Londres  2012.