Crítica – Star Trek – Sem fronteiras (2016)

STAR TREK BEYOND

De Volta aos anos dourados

A substituição de J.J. Abrams pelo mesmo diretor de Velozes & Furiosos 6 gerou enorme preocupação aos fãs .O resto de elenco continua o mesmo. Surpreendentemente  esse acabou sendo o melhor da trilogia e um dos melhores blockbuster do ano até agora;o único  fiel a série clássica multi-universal dos anos 60 com muita ação estratégica ,dividida sabiamente entre os principais tripulantes da USS Enterprise.O roteiro é eletrizante ,de muito suspense, cheio efeitos visuais.A estação espacial lembra  a do filme Tomorrowland,e o planeta explorado lembra Avatar .Além disso, temos uma comovente homenagem a Leonard Nimoy, e ao jovem Anton Yelchin morto de forma  precoce e trágica. Na trama, um inocente pedido de  socorro  acaba ligando-os ao maléfico vilão Krall (Idris Elba), um insurgente anti-Frota Estelar.Star Trek – Sem fronteiras.(Star Trek Beyond, EUA, 2016), de Justin Lin .Ficção Científica com Zoe Saldana, Chris Pine, Zachary Quinto.123 min. 12 anos. Nota : 4,5. 

Nota - 4,5