Crítica – Águas Rasas (2016)

222653.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

A  Bela surfista  e o tubarão branco

Nancy Adams (Blake Lively) está surfando em uma praia deserta quando acaba caindo na área de alimentação de um enorme tubarão branco. Mesmo estando presa há apenas duzentos metros da praia, a sobrevivência prova ser o teste derradeiro de força de vontade.O carisma  e a beleza da protagonista sustentam o longa paradisíaco o quanto podem em um thriller tenso e agradável ao estilo Mar Aberto de 2003 fazendo o espectador torcer por ela.No entanto, ao revelar suas habilidades macgyverianas toda essa angustia cai por água á baixo. O temível tubarão superdotado do diretor tenta copiar o de Spielberg, mas acaba lembrando na verdade aquele da franquia Sharknado ou os algozes inimigos dos mares da Disney.Águas Rasas (The Shallows, EUA, 2016), de Jaume Collet-Serra(Sem Escalas).Drama. 86 min.14 anos.Nota :2,5.

Nota - 2,5