Crítica – O Bom Gigante Amigo (2016)

383217.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

Nosso mundo pequenino que a ternura fez

A impecável produção e direção de Steven Spielberg acompanhada sempre da trilha sonora orquestrada de John Williams dá-nos toda grandiosidade e a proporcionalidade entre a terra dos gigantes e nosso pequeno mundo. Lá, a relação entre o meigo Bom Gigante Amigo(Mark Rylance) e  a orfã Sophie(Ruby Barnhill)  é construída nos primeiros 30 minutos de forma  agradável e misteriosa.A partir dai ,os diálogos tornam-se arrastados demais aos adultos e filosóficos demais para as crianças . Isso até a cena hilaria e inesquecível do almoço do BGA e a garotinha no apertado Palácio de Buckingham, cuja finalidade era solicitar urgentemente  a Rainha Mãe , ajuda militar para combater os gigantes maus ainda mais altos.O Bom Gigante Amigo.(The Big Friendly Giant, EUA, 2016), de Steven Spielberg.Aventura com Rebecca Hall.117 min.Livre. Nota :3,0.Nota - 03