Crítica – Paratodos (2016)

paratodos

O Olympo é Paratodos

Quatro atos muito bem dirigidos e roteirizados em um suspense dramático sobre a ascensão e queda dos super-heróis da vida real em sua jornada evolutiva. Destaque ao campeão paralímpico de 2013 Alan Fonteles que superou o mito Oscar Pistorius nos 200 metros rasos;sua colega de baixa visão Terezinha Guilhermina campeã nos 100 e 200 metros de Londres.O multi-campeão de canoagem , ex BBB Fernando Fernandes e seu colega hilário, Cowboy Ruffino. O maior atleta paralímpico da história,o nadador Daniel Dias em contraste com a colega iniciante Suzana Schrnardof rebaixada quase todo ano de categoria devido a uma doença degenerativa. Por fim, a emocionante disputa no mundial de futebol masculino de cinco(cegos) contra a Argentina. Trajetórias incompletas em busca de um final feliz a ser  concluídas dia 7 de setembro,data que marca o início dos Jogos Paralímpicos Rio 2016. Paratodos (Brasil, 2016), de Marcelo Mesquita.Documentário.110 min. Nota :4,0.Nota - 04