Crítica – Na Ventania (2014)

032971.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

Holocausto socialista ignorado

Hipócritas,diria Jesus aqueles que repudiam o nazismo de Hitler,mas não usam o mesmo critério para repudiar o semelhante regime socialista de Stalin. Em vez disso, ainda  idolatram o tirano até os dias de hoje. Erna, uma estudante de filosofia, vive com seu marido e sua filha em uma bela propriedade no campo, na Estônia, até que durante a segunda guerra mundial o país é invadido por Stalin e eles são enviados para uma fazenda de trabalhos forçados, na qual devem viver com apenas um pedaço de pão por dia. A estudante tenta se comunicar com seu marido, enviado a uma prisão, ou gulag, através de cartas. O diretor Martti Helde usa belos planos estáticos, ou tableaux vivants, desconstruindo e construindo o cinema como arte da imagem em movimento. Naquela noite fatídica de 14 de junho de 1941 mais de 40.000 inocentes,foram deportados da Estônia,Letônia e Lituânia cujo  objetivo da operação secreta,ordenada por Stalin, era a limpeza étnica dos povos nativos nos países bálticos.Houve mais de 590.000 vítimas  do  holocausto soviético. Na Ventania (Risttuules, Estônia, 2014), de Martti Helde.Drama. 87 min.12 anos.Nota :3,0.

 

Nota - 03