Crítica – Alice Através do Espelho (2016)

Alice-Através-do-Espelho-620x352.jpg

Alice de volta para o futuro

A continuação do filme de Tim Burton é muito diferente dos dois clássicos literários de Lewis Carroll, inobstante o desenho  do Mickey Mouse lembrado levemente. Acima do anterior o longa se sustenta graças as grandes atuações de Johnny Depp  e Sacha Baron Cohen. O clássico literário de Orson Welles  A Máquina do Tempo escrito na mesma época também foi lembrado.Na trama Alice (Mia Wasikowska )está de volta ao País das Maravilhas e dessa vez precisa salvar o amigo, Chapeleiro Louco (Depp), que corre o risco de morrer. Entre conversas filosóficas com o Tempo(Cohen) alertando-a que passado é inalterável e o futuro vive em constante mudança, ela descobre o que ocasionou a separação das irmãs Rainha Branca (Anne Hathaway) e Rainha Vermelha (Helena Bonham Carter). Alice Através do Espelho (Alice In Wonderland: Through the Looking Glass, EUA, 2016), de James Bobin(Muppets 2 – Procurados e Amados). Fantasia.110 min.Livre.Nota :3,0.Nota - 03