Crítica – Epa! Cadê o Noé? (2015)

066386.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

Dilúvio sem chuva

A bela animação deixa claro que Noé foi um personagem simbólico e o Dilúvio provocado pelo soerguimento de montanhas, como aconteceu no México. Segundo A Gênese de Allan Kardec: “O que vem em apoio a esta opinião é a existência de um mar interior que se estendia outrora, do Mar Negro ao Oceano Boreal, confirmado por observações geológicas”. Com o desaparecimento do bondoso profeta quem passa a coordenar taxativamente o ingresso das especies á Arca é o Rei das Selvas, esquecendo-se dos peixes e dos estranhos Nestrians Dave e seu filho;uma aula comovente sobre a importância do trabalho em equipe por mais inútil que alguém possa parecer. Aqui se faz , aqui se paga. Epa! Cadê o Noé? (Ooops! Noah is Gone…, Alemanha, Bélgica, Luxemburgo, Irlanda, EUA, 2015), de Toby Genkel. Animação. 86 min.Livre. Nota :3,0.Nota - 03