Crítica – Caçadores de emoção – Além do limite (2015)

039499.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

Muita adrenalina  sem emoção

Mais uma vítima dos ramakes – o clássico da Sessão da Tarde de 1991 outrora estrelado por Patrick Swayze e Keanu Reeves -ganha em adrenalina trazendo novos recursos tecnológicos em IMAX 3D ,  mas perde em emoção, marca registrada da franquia.O ponto forte são os lindos cenários celestes, da imensidão branca e das profundezas do oceano quebrando  ondas perfeitas até em mar aberto. A motivação dos assaltantes profissionais aqui é ajudar a natureza a se vingar do homem destruindo suas imensas propriedades, enquanto realizam oito desafios radicais ao redor do mundo.Ao saber disso, o agente do FBI, Johnny Utah (Luke Bracey) se infiltra na organização criminosa financiada por um magnata tentando até lá  prendê-los em flagrante. Caçadores de emoção – Além do limite.(Point break, EUA, 2015), de Ericson Core.Ação.113 min. Nota :2,0.Nota - 02