Crítica – Joy – O Nome do Sucesso (2015)

269141.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

Família é tudo igual

O mesmo diretor de O Lado Bom da Vida e Trapaça investe novamente na dupla de sucesso Jennifer Lawrence e Bradley Cooper noutro caso verídico de uma pobre batalhadora À Procura da Felicidade. Joy Mangano (Lawrence- vencedora do Globo de Ouro de Melhor Atriz) vive como um polvo numa casa hipotecada repleta de parentes serpente que adoram ser servidos, mas nunca de servir;requerem direitos ignorando deveres e responsabilidades.Situação ideal para ela inventar o Miracle Mop,  famoso esfregão  que pode ser torcido sem o uso das mãos e lavado na máquina de lavar roupa para reutilização. Apesar do grande elenco – incluindo Robert de Niro – o filme é confuso, pouco dramático e emotivo.Além disso, perde gradativamente o charme inicial carregado pela protagonista. Joy – O nome do sucesso (Joy, EUA, 2015), de David O. Russell .Drama. 124 min. 10 anos. Nota:2,5.Nota - 2,5