Crítica – Diplomacia (2015)

 

590379.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

No princípio era o verbo e o verbo evitou o caos ainda maior  

Paris de inicio  preferiu ser tomada por soldados alemães em vez de ser bombardeada por eles como mostra o longa Suíte Francesa que estreia dia 28 de Janeiro. No entanto quatro anos depois, Berlin estava em frangalhos e o exército de Hitler  prestes a cair; o que deixou o Führer com ódio mortal da Cidade Luz. Por isso na madrugada de 25 de agosto de 1944 sob o comando do general Von Choltitz (Niels Arestrup) os militares alemães teriam executado com perfeição esse plano macabro explodindo e inundando a capital francesa através do rio Sena, caso não fosse pela astúcia do  cônsul sueco Raoul Nordling (André Dussollier).  Um acontecimento tão importante durante a Segunda Guerra  revivido na peça homônima. A trama que deu origem ao filme em formado de série de TV se concentra no dialogo reflexivo entre os dois a partir do gabinete de Choltitz até o cancelamento inevitável da operação. Diplomacia.(Diplomatie, França, Alemanha, 2015), de Volker Schlöndorff.Drama. 84 min.14 anos. Nota :2,5.Nota - 2,5