Crítica – Star Wars – O Despertar da Força (2015)


star-wars-force-awakens-banner-full

A Força voltou… E não decepcionou!

Lindo e emocionante, o Episódio VII conseguiu expandir o cânone cinematográfico de Star Wars tanto para o passado quanto para o futuro renovando dignamente a franquia e gerando novas e grandiosas expectativas para os próximos capítulos ao estilo Marvel Studios. Das cinza do Império Galáctico formou-se um regime nazifascista tingido de púrpura nos moldes do anterior, denominado Primeira Ordem. Recém-formada há algumas décadas, a Nova República ainda não conseguiu unir a galáxia criando focos da Resistência liderados pela mesma e competente Princesa Leia de sempre (Carrie Fisher).Enquanto isso,  seu marido Han Solo (Harrison Ford) continua vivendo de trambiques ao lado do fiel companheiro Chewbacca .Luke Skywalker (Mark Hamill)- o último Jedi conhecido – está desaparecido há anos, motivo para os dois lados tentar rastreá-lo devido a construção da nova e temível Estrela da Morte.Como já era esperado J.J.Abrams  premiou os antigos fãs trazendo inúmeras referências da Trilogia Clássica envolvida em épicas batalhas á  luz do dia; um visual incrível digno de Oscar somado ao ótimo e eficiente 3D.O melhor blockbuster do ano.  Nota :4,5.Nota - 4,5