Crítica – Norte, o fim da história (2013)

460049.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

O benevolente e o fundamentalista

Ambientado na região de Ilocos Norte o longa de mais de quatro horas de duração constitui numa severa critica ao governo ditatorial de mais de 20 anos comandado pelo déspota Ferdinand Marcos. Uma notória incompetência administrativa somado a  completa desarmonia entre os três poderes fez um humilde homem indulgente ser condenado injustamente enquanto o verdadeiro assassino (Sid Lucero)-um intelectual fundamentalista-  seguiu livre sem ao menos a policia apurar devidamente os fatos.Para piorar, o advogado de defesa da vítima perdeu toscamente o prazo da apelação. No fim das contas e no fim da história Joaquin (Archie Alemania),  o perpetuo homem de bem, concluiu ser melhor viver na prisão trabalhando e ajudando o próximo á viver sob a égide de um tirano. O filme epresentou as Filipinas no Oscar 2015.Baseado no clássico de Dostoiévski: Crime e Castigo. Norte, o fim da história(Norte, hangganan ng kasaysayan, Filipinas, 2013) de Lav Diaz.Drama.250 min.16 anos.Nota :3,5Nota - 3,5