Crítica – Jogos Vorazes: A Esperança – O Final (2015)

jogosvorazesfinal_4-750x380Fome insaciável de poder

Katniss (Jennifer Lawrence ) e os outros peões do Distrito 13, partem rumo á Capital  para libertar os cidadãos da Panem numa tentativa vitoriosa de assassinar o Presidente Snow (Donald Sutherland).Ocorre que em vez de guardas eles encontraram  diversas armadilhas mortais, uma espécie de Jogos Vorazes ao ar livre. Por fim . Katniss – o maior símbolo feminino deste século- discerniu  ser mais fácil acabar com uma guerra á uma ideologia fundamentalista. Logo, as poucas pessoas humildes que se mantiveram longe do poder levaram uma vida modesta após fim do regime fascista. “É da natureza da república que ela só possua um pequeno território; sem isto não pode subsistir. Numa república grande, existem grandes fortunas e consequentemente pouca moderação nos espíritos”. “Numa república pequena, o bem público é mais bem sentido, mais bem conhecido, mais próximo de cada cidadão; os abusos são menores e, consequentemente, menos protegidos”. (Montesquieu:O Espírito das Leis).É começando  por baixo e de forma simples, lenta e graduada que teremos um mundo ditoso. Jogos Vorazes: A esperança – O final (The Hunger Games – Mockinjay Part 2, EUA, 2015), de Francis Lawrence( Eu sou a lenda).Aventura.137 min.14 anos.Nota: 4,0.Nota - 04