Os Frameworkers ( Agentes Estruturadores) – Parte II

news_e4251d99f013a3b21a5c333b76746ae3

De há muito, uma terrível dúvida a respeito da formação do Universo tem pairado no domínio científico das pesquisas, com o único objetivo de se imaginar não só o motivo pelo qual nosso Universo tenha sido estruturado, como, ainda, saber porque ele teria sido criado.

    A primeira hipótese de trabalho a respeito dessas preocupações nasceu quando os astrofísicos puderam perceber como se realizava a transformação de uma estrela vermelha em um buraco negro, com implosão de toda energia em seu entorno até sua saturação e, finalmente, sua explosão para a formação de uma super nova.
Foi assim que nasceu a idéia do Big-bang, ou seja, a grande explosão da qual teria partido tudo aquilo que hoje compõe nosso espaço sideral.
Imaginaram, portanto, que um Agente Supremo, sem ser o Deus religioso, contudo, com poderes de criação acima do que as crenças humanas possam admitir, teria implodido toda essa energia cósmica que se acha em expansão, a tal ponto que, como no caso dos buracos negros (também agentes de implosão de energia), ao se saturar ou, ao se chegar a um limite de capacidade, teria explodido, dando, então, vazão à expansibilidade de toda energia acumulada em um fulcro central.
Os distúrbios da explosão justificariam a formação de estruturadores capazes de fazer com que tal energia cósmica se condensasse formando as partículas materiais e, com elas, a própria matéria em si. Só não conseguiram nenhuma prova desta hipótese.
Os primeiros pontos de atrito começaram a surgir quando Albert Einstein (1915) equacionou a expansão universal, chegando à conclusão de que ela seria homogênea e o espaço sideral seria curvo, o que se tornaria um contraste se, de fato, o Universo tivesse sido oriundo de uma grande explosão.
Logo a seguir, o astrofísico norte americano Edwin Powell Hubble estabeleceu uma constante de proporcionalidade do afastamento das galáxias (1929), reformulando tudo o que, até então se tinha como cosmofísico. Estabeleceu a teoria da expansão homogênea do Universo, com o que viria derrubar a tese do Big-bang ante uma série de outros fatores.
Mas foi em 1975 que Murray Gell Mann, à frente do acelerador de partículas da Stanford University estabeleceu o novo princípio revolucionário de que as partículas atômicas, por si só, jamais poderiam ser formadas se, sobre a energia cósmica universal não atuassem agentes estranhos ao domínio material e com poderes para estruturá-las.
Daí até a hipótese da existência dos frameworkers foi uma caminhada longa.
Nunca é demais, porém, lembrar que, ao formular em 1927 o Princípio da Incerteza, o físico alemão Werner Karl Heisenberg observou que, partículas lançadas sobre um mesmo alvo em idênticas condições, nem sempre obedeciam a mesma trajetória, sofrendo um desvio anômalo sem que se pudesse saber o motivo pelo qual assim agiam.
Ele chegou a dizer que pareciam ovelhas desgarradas com vontade própria.
Foi dessa maneira que se estabeleceu o primeiro princípio admitindo que, sobre a energia cósmica universal atuariam agentes externos capazes de modulá-la e dar-lhes forma dita material. Ou melhor, dotar-lhe da tal “vontade própria”.
A tese, posteriormente, foi reforçada pelas pesquisas do Observatório Heck II do Haway ao verificar, ao final do século XX, que a estrela Alfa Centauro estaria formando um sistema planetário sugerindo que, em seu entorno, haveria uma ação conjunta de agentes externos ao Universo com poderes capazes de agregar a poeira cósmica, dando início ao sistema planetário em causa.
A Ciência está um passo de admitir que exista um outro domínio externo ao Universo, que, para os reencarnacionistas, seria o mundo espiritual.
Ora, se já é tácito que uma partícula atômica não possa ser automaticamente formada pelos distúrbios do universo sem que, sobre sua energia atue uma agente estruturador, atualmente conhecido como frameworker, o que se dirá, então, de uma vida biológica que, além da forma dita material apresenta um princípio de vida?
O frameworker nada mais será, então, do que um princípio estruturador que, na evolução das formas, é capaz de mutar-se para a vida vegetal e, numa ascendência normal, apresentar-se como um espírito animal em suas diversas escalas zoológicas.
Em síntese, é a velha hipótese de que tudo tenha um princípio espiritual: os minerais, apenas, estruturadores forma. Sem vida biológica e guardando um princípio geológico de formação. Os vegetais apresentariam um forma biológica inanimada,princípio rudimentar de vida, dita psicofitóide. Os seres animados rudimentares teriam, em seu lugar, os princípios espirituais ditos psicozoóides e, finalmente, os animais, com seu espírito e seu grupo de evolução compatível com cada espécie, até chegar à forma hominal.
É assim que se raciocina cientificamente: o princípio é o mesmo e se repete no macro, como no micro, guardados patamares de evolução.
Enquanto a Ciência se preocupa com tais análises, uma grande parte de adeptos da doutrina espírita prefere procurar a salvação pelas mais variadas formas possíveis. Poucos estão preocupados, deveras, com o conhecimento e com as verdades espiríticas. Muitos são os que confiam na esperança de que Jesus, de fato, seja o salvador, outros praticam a “caridade” acintosa com o intuito de se salvarem às custas do que pregou Kardec e alguns poucos pugnam pelo estudo doutrinário com o fito de trazer o conhecimento da razão para que a verdade espírita triunfe, pois, sem dúvida, os novos conhecimentos humanos já não mais comportam hipóteses materialistas na formação universal.

Por Carlos de Brito Imbassahy (cimba@nitnet.com.br)                                                                       Niterói, 30.abr.2001