A fúria de Vulcano em Pompéia: Aquecimento para o épico de Paul W.S. Anderson

?????????????????

Os moradores de Pompéia nunca souberam o que os atingiu. Não sabiam o que era um vulcão – a palavra nem existia em latim. Aqueles que sobreviveram, no entanto, jamais esqueceriam seu impacto

32040

 O dia 24 de agosto de 79 amanheceu em Pompéia sem qualquer prenúncio de anormalidade. O comércio abriu suas portas às 8 horas, como de costume, mas os negócios estavam abaixo do normal. É provável que muita gente ainda estivesse dormindo, já que na noite anterior os moradores da cidade, como de todo o Império Romano, haviam ido às lutas de gladiadores, peças de teatro e tomado muito, muito vinho: tudo em celebração a Vulcano, deus do fogo (uma mera – e incrível – coincidência com os fatos que ocorreriam a seguir).

Situada no pé do monte Vesúvio, às margens do que hoje conhecemos como baía de Nápoles, Pompéia era uma cidade próspera, com cerca de 20 mil moradores. Toda murada, tinha uma área urbana – onde se concentravam residências e casas comerciais como padarias, bares, lavanderias, bancos e banhos públicos – e uma rural, ocupada por grandes propriedades dedicadas à agricultura, onde se plantando quase tudo dava: principalmente trigo, azeitona e uva para a produção do famoso vinho da cidade. O centro urbano de Pompéia consistia de uma parte mais antiga, construída pelo povo itálico séculos antes de a cidade tornar-se colônia romana, em 80 a.C., e outra mais recente, com duas ruas principais, que cortavam a cidade nos sentidos norte-sul e leste-oeste, e quarteirões regulares. “Além da agricultura favorecida pelas terras produtivas da região, era o porto às margens do mar Mediterrâneo que garantia a saúde econômica de Pompéia”, diz a historiadora Lourdes Condes Feitosa, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Barcos chegavam o tempo todo trazendo comerciantes estrangeiros, sobretudo fenícios. Podia-se comprar de tudo no porto de Pompéia, desde macacos africanos e canela da China até escravos e escravas orientais, famosas por seus truquezinhos sexuais. E circulava muito dinheiro por ali.

26-20062008

“A elite local era formada na maior parte por proprietários rurais, que tinham casas no campo e também na costa de Pompéia, à beira-mar, com marinas particulares e seus próprios barcos”, afirma o arqueólogo Pedro Paulo Funari, da Unicamp, autor de A Vida Quotidiana na Roma Antiga. Além deles, faziam parte da elite os donos das lojas mais sofisticadas, casas de banho e indústrias de tecido. Os comerciantes eram o que hoje chamamos de classe média e moravam, geralmente, em casas construídas sobre seus estabelecimentos. Com eles normalmente moravam seus familiares (pais, filhos, irmãos, avós) e escravos. Na base da pirâmide social ficavam os trabalhadores rurais.

Ricos e pobres, todos se achavam abençoados por morar em Pompéia. Eles acreditavam que a fertilidade da terra era um presente dos deuses e não desconfiavam que o solo tinha tanta qualidade por causa de antigas erupções do Vesúvio. Aliás, eles nem sabiam o que era um vulcão. Tanto que, na época, sequer havia uma palavra em latim para designar o vulcanismo. Para eles, o Vesúvio era apenas uma bela montanha: um calado e amistoso vizinho. Por isso, o mar agitado dos dias anteriores àquele 24 de agosto e o leve tremor de terra que fez o vinho balançar dentro dos cálices na festa de Vulcano não foram interpretados como sinais de perigo.

A quinta-feira era apenas mais um dia de calor. Eram pouco mais de 10 horas quando um forte estrondo foi ouvido. Seguido de um abalo. No horizonte, uma densa nuvem preta se ergueu sobre o Vesúvio.

A 30 quilômetros dali, um dos mais brilhantes homens de seu tempo escutou o barulho. Em sua casa de campo em Miceno, estava Plínio, o Velho, uma das maiores autoridades em fenômenos naturais da época (uma espécie de Darwin do século 1) e autor dos 37 volumes de História Natural. De acordo com o pesquisador Andrew Wallace-Hadrill, diretor da Escola Britânica em Roma e especialista em Pompéia, Plínio foi surpreendido pela explosão do Vesúvio. “Até aquela data, a única coisa que ele havia registrado sobre o assunto foram as marcas de queimada no topo do Vesúvio”, afirma Wallace-Hadrill. Hoje se sabe que a última erupção do Vesúvio antes daquela manhã havia ocorrido por volta de 1800 a.C.

pompeia ruinasMas em breve não haveria mais dúvida de que algo único estava acontecendo. Em poucos minutos, a ensolarada manhã virou noite. A espessa e escura fumaça liberada pelo Vesúvio subiu para a atmosfera e bloqueou completamente o sol. Plínio, o Jovem – sobrinho do Velho, que estava com ele em Miceno e foi o autor do principal documento sobre a erupção do Vesúvio (leia boxe na pág. 29) –, testemunhou a cena: “Dificilmente podíamos ver as coisas, parecia noite, não como quando desaparece a lua ou fica nublado, mas como em um lugar fechado e sem luz”, escreveu numa carta enviada para o amigo e historiador Tácito.

Impressionado com a noite no meio do dia e com o barulho, o povo saiu às ruas, curioso para ver o espetáculo. Pouca gente – ou ninguém – deve ter se dado conta do risco que corriam. É que aquela nuvem negra não era só fumaça. Junto com as cinzas, o Vesúvio lançou na atmosfera toneladas de rochas a uma altura tão grande – algumas devem ter atingido 10 mil metros – que elas só começaram a cair minutos depois da explosão inicial. “As primeiras vítimas devem ter sido atingidas pela chuva de pedras e, em seguida, com o acúmulo de detritos sobre os telhados, pelos desabamentos”, diz Fabrizio Pesando, professor da Universidade de Nápoles e co-autor do livro Pompeii (“Pompéia”, inédito no Brasil).

1_pompeia_corpos

Quando as pedras começaram a cair do céu, Julius Polibius mandou reunir toda sua família na parte de trás de sua casa, que passava por uma reforma. Filho de um escravo liberto e cheio de ambições políticas, Polibius tornara-se um próspero comerciante. Naquele ano, ele era candidato ao cargo de aedile, uma espécie de vereador, responsável por conservar os bens públicos. Polibius chamou a mulher, filhos e escravos e se puseram a rezar. Não deu certo. “Junto com as pedras, caiu sobre a cidade uma nuvem de gases tóxicos. Assim, nas casas afastadas e resistentes, o Vesúvio matou por asfixia”, afirma Pesando. Dos 13 corpos encontrados na residência de Polibius, 15 séculos depois, alguns estão abraçados, há um casal deitado na mesma cama, outro ajoelhado.

Se Polibius e a família preferiram ficar e rezar (quem sabe não conseguissem fugir com uma das mulheres em adiantada gravidez), outros resolveram seguir a opção aparentemente mais óbvia: correr. Não adiantou. “Muita gente deixou suas casas percebendo o risco que corria lá dentro. Os vestígios arqueológicos indicam que homens, mulheres, crianças e idosos saíram com colchões e almofadas sobre as cabeças, tentando se proteger das rochas ferventes que caíam do céu. Muitos levavam consigo todos seus bens: jóias, moedas, estátuas, prataria e a chave da porta da frente”, diz Pesando.

Uma mulher, de cerca de 30 anos, morreu do lado de fora de um hotel. Levava consigo uma certa quantidade de jóias, incluindo um bracelete de ouro com a inscrição: do mestre para sua escrava. Um homem de negócios, que carregava pelas ruas uma bolsa cheia de ouro, morreu sentado, encostado em uma pilastra. Mesmo quem resolveu aproveitar a fuga em massa para tentar enriquecer deu-se mal. Um saqueador morreu sobre o telhado da “Loja do Salvius” (é exatamente essa a inscrição sobre a porta da casa onde foi encontrado), que vendia anéis e peças de ouro. Uma rica e elegante senhora, usando jóias caras, foi soterrada no galpão em que moravam os gladiadores. Estranho lugar para encontrar uma jovem patrícia. O que ela fazia lá? As especulações dos arqueólogos são de que ela era uma das mulheres entediadas que, à procura de aventura, prestava certos favores aos gladiadores. A nobre dama teria sido surpreendida pela erupção numa de suas visitas clandestinas. Ou, quem sabe, vendo-se condenada pelo vulcão, escolheu essa como a melhor forma de morrer. Quem sabe?

Em Miceno, Plínio, o Velho, assistia de camarote à densa fumaça preta que subia do Vesúvio, quando resolveu ver aquele fenômeno mais de perto. Ele mandou preparar um pequeno barco, convocou uma tripulação de nove homens e pouco antes das 5 da tarde se pôs a caminho de Pompéia. A viagem mostrou-se uma péssima idéia. Ao se aproximarem da cidade, as altas temperaturas e um densa neblina negra fizeram com que o barco se desviasse de seu destino. O jeito foi ancorar na vizinha Estábia. O desvio salvou sua vida. Pelo menos por mais algumas horas.

“Em Pompéia a chuva de pedra já durava pelo menos 12 horas e praticamente toda a cidade estava soterrada sob cerca de 4 metros de rochas vulcânicas, quando o pior aconteceu”, diz Wallace-Hadrill. À escuridão das sombras das nuvens de cinza, juntou-se o negrume da noite. Por isso, e porque não restassem muitas testemunhas no local, talvez ninguém tenha visto quando a parte mais letal da erupção se aproximou. “Viajando a uma velocidade superior a 120 quilômetros por hora, uma avalanche de cinzas e rochas superquentes, com temperaturas que ultrapassavam os 500 graus Celsius desceu sobre a cidade.” No total, 4 quilômetros cúbicos de material foram ejetados pelo Vesúvio.

Herculano

Situada na costa oeste do Vesúvio, Herculano também viveu um inferno. Provavelmente beneficiada pela direção do vento, a cidade não sofreu tanto com a chuva de pedras. No entanto, o relevo da região não foi tão piedoso com os moradores de Herculano. “Em direção a Herculano, a avalanche de pedras foi muito mais violenta e destrutiva que em Pompéia”, diz Pesando. Pressentindo que o pior estava por acontecer, milhares de pessoas fugiram de suas casas e foram em direção à praia. Com eles, levaram tudo o que podiam carregar. Na fuga, a confusão se instalou. Bebês choravam, maridos procuravam as esposas que haviam se perdido no caos. Poucos conseguiram chegar até à praia. “A velocidade da avalanche deve ter chegado a mais de 100 quilômetros por hora e a maioria morreu no caminho.”

Alguns chegaram à praia, pensando que até ali a enxurrada de pedras perderia força e que estariam seguros de desabamentos. Eles estavam certos. Porém acabaram mortos: não sobreviveram à intensa onda de calor e aos gases venenosos que atingiram a cidade. Mais de 300 esqueletos foram encontrados num abrigo de barcos. A morte para eles foi instantânea: o choque com a onda de calor fez seus órgãos vitais ficarem paralisados antes mesmo que eles se dessem conta do que estava acontecendo. Muitos estavam abraçados. Outros em posições relaxadas, como se achassem que estavam a salvo. A cidade, onde moravam 5 mil pessoas, ficou enterrada em 23 metros de pedras e cinzas.

Na manhã do dia 25, o Vesúvio ainda não havia cansado. Antes das 7 da manhã, uma nova nuvem atingiu Pompéia. Quem ainda estava lá e não morreu queimado atingido pelas rochas incandescentes acabou sufocado pelos gases. A nuvem seguiu em direção a Estábia. Os moradores perceberam-na atravessando a baía, tentaram correr, mas não havia para onde. Os gases vulcânicos fizeram centenas de vítimas, entre elas Plínio, o Velho.

Seu sobrinho, em Miceno, escreveu tudo o que pôde ver e apurar depois. Seus relatos eram tão bizarros que durante muito tempo foram considerados lendas e desacreditados pelos cientistas até o século 18. Hoje em dia, sabe-se que existem sim erupções vulcânicas como Plínio contou. Tanto que eventos daquela magnitude, com explosões de gases, vapor de água e material piroclástico jogados a grandes altitudes são chamados de erupções plinianas.

Não se sabe exatamente quantas pessoas morreram em Pompéia, Herculano, Estábia e redondezas. “É impossível precisar quantas pessoas conseguiram fugir por mar ou que sobreviveram ao inferno provocado pela erupção do Vesúvio”, diz Pesando. Segundo ele, a simples recuperação de corpos indicaria um número entre 2 mil a 4 mil vítimas. Mas outra linha de pesquisadores, que toma como base os registros de moradores da região, acredita que o mortos podem chegar a 17 mil.

Dormindo com o inimigo

As cidades em tornodo Vesúvio nem desconfiavamdo risco que corriam

Miceno

A 30 quilômetros de Pompéia, era uma cidade de veraneio dos romanos ricos, entre eles Plínio, o Velho. Foi dali que Plínio,o Jovem, acompanhou a erupção. Foi atingida pelos tremores de terra e pela nuvem de poeira, mas teve poucas vítimas, em sua maioria crianças e velhos

Herculano

Com cerca de 5 mil habitantes, foi coberta por 23 metros de cinzas e pedras depois da erupção. Em Herculano, ao contrário de Pompéia, os esqueletos das vítimas foram mais preservados, por causa das características da erupção. Perdeu cerca de 80% de sua população

Pompéia

Localizada na baía de Nápoles, foi soterrada por 6 metros de cinzas e rochas na erupção do Vesúvio. As primeiras vítimas morreram atingidas por pedras ou desabamentos. A seguir, acabaram intoxicadas. Acredita-se que entre 4 mil e 8 mil dos 20 mil habitantes tenham morrido

Estábia

Ficava a apenas 5 quilômetros de Pompéia e, a exemplo de outras cidades ao redor, como Oplontis, foi destruída. Ganhou fama por ter sido onde Plínio, o Velho, morreu, intoxicado por gases do vulcão. O número de vítimas chegou às centenas.

Eu me lembro

Plínio, o Jovem, foitestemunha da história

Em 24 de agosto de 79, Gaius Plinius Caecilius Secunduso, um rapaz de cerca de 20 anos, preferiu não navegar com o tio até o pé do Vesúvio. Plínio, o Velho, era um “cientista” e, como isso naquela época era pouco mais que observar os fenômenos naturais e teorizar sobre eles, queria ver tudo mais de perto. Sábia decisão. Plínio, o Jovem, ficou em casa, em Miceno, sobreviveu e por isso pôde relatar todos os acontecimentos daquele dia. Suas longas cartas enviadas ao historiador Tácito mais tarde foram publicadas em livros. Mas as originais, porém, não existem mais. “Elas foram copiadas, como quase todos os documentos antigos, durante a Idade Média. Datam dessa época as versões mais antigas”, diz o arqueólogo Pedro Paulo Funari, da Unicamp. “Era o nono dia antes das calendas de setembro, pela sétima hora, quando minha mãe lhe mostrou que se formava uma nuvem volumosa e de forma incomum. Havia tomado seu banho de sol, depois um banho frio, e, num leito, estudava. Levantou-se e subiu a um lugar do qual podia ver melhor”, escreveu o jovem, sobre como o tio soube da erupção. “A nuvem parecia-se muito com um pinheiro porque, depois de elevar-se em forma de um tronco, desabrochava no ar seus ramos. Creio que era arrastada por uma rápida corrente de vento e que, quando esta cedia, a nuvem, vencida por seu próprio peso, dilatava-se e expandia-se, parecendo às vezes branca, às vezes escura ou de diferentes cores, conforme estivesse mais impregnada de terra ou de cinzas”. A descrição continua: “O Vesúvio brilhava com enormes labaredas em muitos pontos e grandes colunas de fogo saíam dele, cuja intensidade fazia mais ostensivas as trevas noturnas. O dia nascia já em outras regiões, mas aqui continuava noite, uma noite fechada, mais tenebrosa que todas as outras; a única exceção era a luz dos relâmpagos e outros fenômenos semelhantes”. Em seus escritos, Plínio fala também sobre a aflição do povo: “Podia-se ouvir os soluços das mulheres, o lamento das crianças e os gritos dos homens. Muitos clamavam pela ajuda dos deuses, mas muitos outros imaginavam que não havia mais deuses e que o Universo estava imerso numa eterna escuridão”.

Cidade viva

Comércio era a alma de Pompéia

XIXI LIMPINHO

Normalmente, lavanderias e tinturarias funcionavam no mesmo local. Os donos dos estabelecimentos costumavam pôr ânforas do lado de fora, para que as pessoas urinassem nelas. A urina era usada para clarear as roupas, por causa da amônia. Quem fazia o trabalho sujo da limpeza eram os escravos

MAC THERMOPOLIUM

Pompéia tinha sua rede de fast food. As thermopolia tinham uma bancada em formato de “L” com buracos para manter quentes as panelas com comida, como lentilha ou carnes. O local também servia vinho em jarros. Os clientes mais comuns eram os visitantes da cidade, como os “torcedores” das lutas

PÃO QUENTINHO

Alguns dos comércios mais comuns eram as padarias, que preparavam pão fresco todos os dias. As lojas encontradas durante as escavações revelaram que a erupção pegou todos de surpresa e que o povo saiu apressado: algumas tinham pães assando nos fornos

Salve-se quem puder

Vestígios arqueológicosmostram como era a vida dosmoradores da cidade

CAPACETE

Os gladiadores, donos de capacetes como este, com grades de bronze para proteger os olhos, eram ídolos em Pompéia. Os grafites nas paredes da cidade mostram, por exemplo, uma luta entre Oceanus e Aracintus. Oceanus, vencedor de 12 batalhas, matou seu adversário no combate

JÓIAS

Muitos moradores, ao se darem conta da tragédia que arrasaria a cidade, fugiram levando moedas e jóias. Mas nem todos conseguiram. Comparável às melhores jóias feitas em Roma, este colar de esmeraldas e pérolas, encontrado em Pompéia, revela a riqueza da elite da cidade

TAÇA DE PRATA

O cálice encontrado em 1930 na casa que pertencia a Quintus Poppaeus, um homem influente, parente de Poppaea Sabina, a segunda esposa do imperador Nero. Toda decorada com ramos de oliveira, peça pertence a uma coleção com 118 peças

ÂNFORAS

Os recipientes, geralmente de cerâmica, eram de dois tipos. Os grandes, com até 1 metro de altura, eram usados no transporte de vinho, azeite e molho de peixe. Os menores, serviam como garrafas. Estas da foto foram encontradas nas ruínas da casa de Gaius Julius Polybius

Saiba mais

Livros

Pompeii: a Novel, Richard Harris, Random House, 2004. – Ainda sem edição em português, o livro é a mais recente e completa tentativa de recriar os últimos momentos da cidade

A Vida Quotidiana na Roma Antiga, Pedro Paulo Funari, Annablume, 2004 – O livro recria a vida em Pompéia tomando por base os grafites encontrados nas paredes da cidade

Múmias de gesso

Estátuas imortalizaramos últimos momentosde Pompéia

Após Pompéia ter submergido, a cidade virou o ponto preferido de saqueadores. “A parte de cima de alguns prédios ainda estava visível, e os ladrões atacaram, procurando tudo o que pudesse haver de valioso”, diz o historiador Andrew Wallace-Hadrill. Dois séculos depois a cidade já havia sido esquecida – era citada em poucas histórias populares, com o nome de Civitá. Em 1595, o local foi descoberto por acaso durante a construção de um aqueduto. Os trabalhadores depararam com objetos antigos, que foram levados para as cortes de Roma e Florença. No entanto, as escavações mesmo só começaram em 1748, quando especialistas perceberam que aqueles objetos eram da antiga Civitá. Uma placa que dizia que o nome da cidade era Pompéia foi encontrada e a cidade foi rebatizada. Segundo o arqueólogo italiano Salvatore Ciro Nappo, durante a primeira fase, as escavações só pretendiam encontrar objetos de arte. Mais tarde, porém, construções inteiras começaram a aparecer. O que mais impressiona até hoje – e causa mais confusão – são os “corpos” das vítimas. Muitos acreditam que aquelas figuras expressivas são os restos dos moradores petrificados. Na verdade, são apenas estátuas, feitas a partir dos moldes deixados pelos corpos de verdade. A avalanche de cinzas e rochas que caiu formou uma espécie de cobertura, que se solidificou. Com o tempo, o material orgânico se decompôs, deixando um espaço oco no meio das rochas. Conforme descobriam as vítimas, os arqueólogos recheavam com gesso esse espaço vazio, conseguindo reproduzir a posição exata de homens, mulheres, crianças e até animais mortos durante a erupção. Os corpos não estão lá, mas o sofrimento e a dramaticidade estão. Não tão famosas, mas muito mais importantes para a história são os escritos encontrados nas paredes de Pompéia. “Muito do que sabemos sobre Roma, sobretudo acerca da vida cotidiana, deve-se aos grafites e inscrições descobertos em Pompéia”, diz Pedro Paulo Funari. Como a vida se extiguiu de uma hora para outra e tudo permaneceu enterrado, as paredes e inscrições não sofreram degradação nem pelos homens nem pelo tempo. “Os muros da cidade são um grande livro”, afirma Pedro Paulo

Claudia de Castro Lima  Site Aventuras da História