Orfeu e o Orfismo, Cristo e o Cristianismo

         Sir Edward John Poynter 1836-1919 - British Classical painter - Tutt'Art@ (29)

  De posse dessas mudanças conceituais e estruturais, a Grécia através da doutrina mística creditada ao músico e poeta  Orfeu, nome que significa “o que cura pela luz”, vivencia um novo estágio em sua religiosidade. Orfeu, o alto sacerdote de Zeus, segundo a tradição grega, era filho de Calíope, sacerdotisa de Apolo, encantador de animais, foi  divinizado e adorado pelos gregos como um semi-deus. Consta que  habitou a Trácia, uma das ilhas que hoje formam a Grécia, por volta do séc. VI antes de Cristo, criando através de sua doutrina um pensamento místico, iniciático e ao mesmo tempo  religioso a respeito do sagrado na Grécia antiga. O orfismo, como ficou conhecido, em síntese, pregava o princípio divino existente no homem e a reencarnação como meio e purificação da alma imortal. O orfismo de uma certa forma era ligado ao culto do deus Dionísio, que se acreditava ser instituído ou adaptado pelo próprio Orfeu, o qual caracterizava-se basicamente na conquista da imortalidade por meio de uma série de cerimônias e ritos purificadores, como também regras severas de conduta moral e comportamental, que se seguidas corretamente levariam ao indivíduo a libertação da alma das sucessivas transmigrações. Dentro da  simbologia cristã, Orfeu,  foi identificado como uma profecia a respeito de Cristo, posto que seu surgimento data de seis séculos antes dele. Segundo a mitologia,  Orfeu ficou arrasado com a morte de sua mulher, a ninfa Eurídice e para traze-la de volta a vida viajou até o mundo subterrâneo, mundo dos mortos, encantando o cão Cérbero guardião dos infernos, com sua lira mágica. Persófanes e Hades disseram que Eurídice poderia regressar com Orfeu para a Terra, desde que ele não a olhasse para sua esposa até atravessar os portões do inferno. Orfeu não resistiu olhou para Eurídice e saiu sozinho do mundo subterrâneo. Esse conto é muito o similar com a narrativa bíblica envolvendo a  destruição de Sodoma e Gomorra, na qual um dos três anjos responsáveis pela destruição das cidades, solicita a Lot, que ninguém olhasse para traz, sua esposa olhou e imediatamente transformou-se em uma estátua de sal. Desta forma, narram os escritos sagrados e secretos órficos que Orfeu, assim como Jesus(I Pedro cap. 3 vs 17 a 19), desceu aos infernos, e de lá retornou vitorioso; de outra parte, ele arrasta com a divina música de sua doutrina todas as coisas. Orfeu é dilacerado, tal como Jesus ao ser açoitado e crucificado, tal como mostra um selo cilíndrico de 300 a. C. A figura de Orfeu pescador é a mesma desempenhada por Jesus, e que está também relacionada com o Santo Graal, através do rei pescador.  A tradição afirma que Orfeu trouxe sua doutrina da Índia, sendo sua religião dos antigos magos, a que Melchisedec, Abraão, Akenaton, José, Moisés e tantos outros pertenceram. Seu  esoterismo, sua ciência e seus mistérios se perpetuaram e se difundiram através dos mistérios de Elêusis situada na cidade da Ática,  para todos os demais templos de Júpiter e Apolo.

Fonte : http://espiritismoeufologia.blogspot.com.br/2012/01/orfeu-e-o-orfismo.html